Indústrias, hospitais, centros comerciais e diversos outros tipos de instalações precisam de uma estrutura confiável de geração de energia. O fornecimento deve ser contínuo e sem falhas para garantir a perfeita operação do negócio. Para isso, engenheiros e responsáveis devem conhecer muito bem os conceitos e funções do paralelismo e sincronismo entre grupos geradores de energia.

Então, dependendo da estrutura do local e da necessidade, é preciso utilizar vários geradores. Pensando nisso, criamos este conteúdo com todas as informações necessárias sobre o assunto. Acompanhe e confira!

Qual a diferença entre gerador singelo e múltiplos geradores?

A principal diferença entre um gerador singelo e uma aplicação de múltiplos geradores é justamente a quantidade de máquinas. Na aplicação singela, utilizamos apenas um gerador, realizando ou não transferência com a concessionária.

​Agora, para aplicação de múltiplos geradores usando Deep Sea (DSE), podemos sincronizar até 32 equipamentos por meio do MSC LINK (caso tenha necessidade, pode-se incluir mais geradores nesse barramento, trabalhando “a base de carga”), além de ser possível realizar transferência com a rede.

Quais são as vantagens ao utilizar geradores em paralelo?

Existem diversas vantagens ao utilizar os geradores de energia ligados em paralelo. A seguir poderemos ver alguns deles. Confira!

Melhor confiabilidade do sistema

Uma vez que a potência consumida pela carga é dividida entre geradores na ligação em paralelo — se um gerador falhar, interrompendo o fornecimento de energia — o outro pode manter o funcionamento com carga (caso esta carga não seja maior que a potência nominal deste grupo gerador).

Essa característica é muito importante em hospitais, por exemplo, em que a falta total de energia pode causar danos, como a morte de pacientes pelo não funcionamento de aparelhos.

Maior economia e eficiência

Em sistemas de grupos geradores em paralelo se a necessidade de energia for baixa, você pode manter somente um gerador em funcionamento, desligando o outro e mantendo o rendimento altoeconomizando combustível e mantendo a eficiência do sistema.

Facilidade em manutenção e intervenções

Outra vantagem encontrada no paralelismo e sincronismo entre grupos geradores é vista na manutenção. As intervenções podem ser feitas sem interrupção de energia no sistema. Enquanto um gerador recebe a carga, o outro pode ser submetido à manutenção.

Quais são os fatores a serem considerados ao instalar geradores em paralelo?

Para utilizar geradores em paralelo, eles primeiro devem ser sincronizados e para isso, algumas condições devem ser analisadas. Veja quais são a seguir:

Tensão de geração

O primeiro fator que deve ser analisado para a instalação em paralelo é, obviamente, a tensão dos geradores. Todas as unidades devem trabalhar na mesma tensão. Se esse ponto não for respeitado, pode ser gerada uma corrente de circulação entre eles, capaz de queimar os componentes e reduzir a vida útil dos equipamentos.

Sequência de fases

Nas situações em que há geradores trifásicos, a sequência de fases na ligação com o barramento deve ser a mesma. Caso contrário, haverá a formação de curto-circuito, podendo queimar os equipamentos ligados ao gerador.

Frequência

A frequência dos geradores devem ser iguais ou então a onda gerada no barramento não terá características senoidais, com picos de tensão maiores que as de geração. Para transferência em rampa com a rede, também é preciso manter a frequência nominal igual aos geradores.

Ângulo de defasagem

A diferença de ângulo de fase entre as duas formas de onda cria uma diferença no potencial entre as duas fontes. A diferença de potencial deve ser a menor possível (tendendo a zero), para permitir o fechamento do disjuntor de paralelismo.

Como ocorre a sincronização com múltiplas redes?

Os geradores são usados para fornecer backup para várias fontes da energia principais. Se uma das fontes de alimentação (concessionária) falhar, o gerador é ligado e a carga apropriada é transferida para o grupo gerador.

Já se outras fontes de energia falharem, as cargas também serão transferidas para o gerador. Por motivo de segurança, o controlador/USCA não permite que seja feita a transferência em rampa com duas concessionárias ao mesmo tempo, sendo sempre uma de cada vez.

Se uma das fontes de energia principal retornar aos valores ajustados (nominais), não haverá interrupção no fornecimento da energia para carga enquanto ocorrer uma transferência em rampa. Isso será repetido para cada fonte de alimentação que se estabilizar até que a última transferência seja realizada e o gerador pare. A ordem das transferências é definida por meio de prioridades configuradas nos controladores.

Quais os procedimentos para realizar o sincronismo entre grupos de geradores?

Deep Sea oferece um passo a passo para que os procedimentos de sincronismo e paralelismo sejam realizados. Os “quatro passos para o sincronismo” são:

  1. realizar os ajustes dos reguladores de frequência e tensão (exatamente nessa ordem);
  2. realizar um teste com carga, para verificar se todas as medições estão positivas — caso contrário, a instalação pode estar incorreta (possivelmente as referências ou polaridade dos TC’s estará incorreta);
  3. certificar que todos os geradores desse link estejam se comunicando por meio da porta MSC LINK;
  4. conferir se o faseamento do gerador está de acordo com o faseamento do barramento.

​Com isso, vimos que o paralelismo e sincronismo entre grupos geradores é muito interessante em diferentes casos, principalmente em instalações em que a confiabilidade do fornecimento de energia precisa ser alta.

É preciso ficar sempre atento às condições necessárias para manter o sistema eficiente. Se você ainda tem dúvidas, entre em contato conosco .